quinta, 16 de julho de 2020 - 03:23:37 PM
quinta, 16 de julho de 2020 - 03:23:37 PM
Lucio Jaques
Reana Seguros
PUBLICADA EM 24 de junho de 2020 - 6:20 PM

Acabou o romance entre Carlos Moisés e Daniela Reinehr

App Sicoob

 

Em carta enviada a Carlos Moisés (PSL), a vice-governadora Daniela Reinehr rompeu com o governador. Apesar das críticas e do rompimento, Daniela afirma que ficará no cargo.  “Volte a ser visto como realmente é e merece. Ainda que na condição de vice-governadora, não medirei esforços para estabelecer e executar, com urgência, um planejamento para a recuperação econômica de Santa Catarina. Evidentemente, farei isso com o apoio de todas as forças producentes, ávidas por serem ouvidas e também valorizadas”, afirma.

Deixou o barco

Na realidade, a vice-governadora tem sido figura decorativa no governo Carlos Moisés. Diante das complicações judiciais em que Moisés se encontra, como a CPI dos Respiradores e pedidos de impeachment. Daniela tomou coragem para deixar o barco de Moisés e navegar sozinha. Dificilmente terá as portas abertas do governo como imagina. Agora, se houver por ventura um impeachment será da chapa Moisés e Daniela. O perigo eminente continua para ambos.

Se aproximar de Bolsonaro

O governador busca reatar  relações com o presidente Bolsonaro. Moisés formalizou na última sexta-feira (19) um pedido de audiência com o presidente. Desde que assumiu, o governo Moisés se distanciou de Bolsonaro e piorou quando o presidente saiu do PSL e Moisés continuou no partido, chegando até se indispor com deputados do PSL que apoiaram Bolsonaro no Aliança pelo Brasil. Sem falar em outros conflitos, como a questão do isolamento social, imposto por Moisés no estado, contrariando o presidente. Pelo que se nota, Bolsonaro não tem a mínima vontade de se aproximar do governo de Santa Catarina. A conferir.

Complicou o governo

Mais uma vez, o governo de Carlos Moisés se vê em meio à CPI dos Respiradores. Agora foi a vez do chefe da Casa Civil do Estado, Amandio João da Silva Junior, que foi citado em uma conversa de vídeo, pelo empresário Samuel de Brito Rodovalho durante o depoimento na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) dos Respiradores, na noite desta terça-feira (23). Os membros da comissão consideram o fato grave, apesar da testemunha ter afirmado que Silva Junior ainda não estava no cargo quando a conversa entre os dois ocorreu. O chefe da Casa Civil será ouvido pela CPI na próxima semana.

Eleições em novembro

Na última terça-feira (23), o Plenário do Senado aprovou em votação remota o adiamento para os dias 15 e 29 de novembro, do primeiro e do segundo turnos, respectivamente, das eleições municipais deste ano, inicialmente previstas para outubro, em decorrência da pandemia de coronavírus. O texto aprovado foi um substitutivo do senador Weverton (PDT-MA) à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 18/2020. A matéria segue agora para análise da Câmara dos Deputados. Com a previsão das eleições ainda para este ano, fica garantido o período dos atuais mandatos. A data da posse dos eleitos também permanece inalterada. Prefeito, vice-prefeito e vereadores têm mandato de quatro anos e tomam posse em 1º de janeiro.

Candidaturas a prefeito

As apostas no meio político de Xanxerê é que teremos no mínimo quatro candidaturas a prefeito nesta eleição. Nos bastidores, as negociações estão acontecendo a todo vapor. Tem partido que pretende até o meio do mês de julho estar com a chapa majoritária lançada e começar os trabalhos de contratação de empresa de marketing para fazer a campanha. Muitos partidos estão apostando na receita caseira, ou seja, empresas de Xanxerê.

Toma lá, dá cá…

Depois de se aproximar do Centrão, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se vê à mercê dos partidos que compõem o grupo. Agora, foi a vez de nove parlamentares do PSC se reunirem nesta manhã de quarta-feira (24) com Bolsonaro no Palácio da Alvorada. Conforme deputados que participaram do encontro, serviu para fazer uma reaproximação. “Foi um gesto importante, muitos deputados do PSC nunca haviam estado com o presidente”, disse o deputado Paulo Eduardo Martins, do Paraná. “Como o governo abriu diálogo com outras bancadas, era hora de dar carinho a um velho amigo.” Se foi o discurso da nova política.

Governo tem responsabilidade

Falta uma ação conjunta entre governo federal, estados e municípios, para termos um raio-X de quanto e locais com pessoas contaminadas. Neste momento, estão apagando os focos, depois que surge a contaminação… Isto é secar gelo. O governo federal tem, sim, responsabilidade e não é com governadores e prefeitos, mas sim com os BRASILEIROS que moram nos estados e municípios. Mas o que faz o presidente?  Lava as mãos… Com certeza os brasileiros e a história irão cobrar. Já morreram mais de 50 mil brasileiros. Vidas ceifadas por falta de ação e comprometimento de um governo.

Gripezinha

Pois é, a pandemia matou um número maior de brasileiros que o conflito mais sangrento na qual o País se envolveu em sua História: a Guerra do Paraguai. Provocada pela ousadia paraguaia de tentar anexar o Rio Grande do Sul, em 1865, a guerra durou 5 anos e matou 50 mil brasileiros. Até esta terça (23), eram 52,6 mil brasileiros mortos em 4 meses, desde o primeiro caso de infecção no dia 27 de fevereiro. E o presidente continua tratando o coronavírus como uma gripezinha.

Parceiros

Fit Fish

Publicidade

Inviolavel
Momento FM