quarta, 26 de junho de 2019 - 01:04:04 PM
quarta, 26 de junho de 2019 - 01:04:04 PM
Lucio Jaques
Andrioli Projetos
PUBLICADA EM 09 de abril de 2019 - 5:40 PM

Carlos Moisés começa a definir seu estilo de governar

Reana Seguros

O governador Carlos Moisés (PSL) apresentou à imprensa o balanço dos cem dias de governo e também divulgou um site que agrupa detalhes do período, o100dias.sc.gov.br. Umas das grandes metas do governo é a aprovação da reforma administrativa, sem dúvidas. O estado prevê economia de aproximadamente R$ 500 milhões em quatro anos, mas também o enxugamento da máquina administrativa, bem como a revisão de benefícios fiscais, calculados em R$ 5,8 bilhões no ano passado, o que vai ajudar a pagara a dívida pública, hoje calculada em R$ 21 bilhões.  Outras ações merecem reconhecimento, como a desativação das ADRS, parcerias com as associações de municípios para agilizar a recuperação e manutenção das rodovias, digitalização do sistema do Detran, entre outras.

Estilo do PSL

Para quem não tinha experiência política administrativa, o governador Carlos Moisés (PSL) começa a colocar em prática seu estilo de governar. Agora mais aberto a conversações junto aos segmentos e buscando formar uma base política, que é o mais importante para que seus projetos sejam aprovados no legislativo. Mas o governador ainda tem muito caminho pela frente, precisa mudar a sua forma de governar, baseado no seu maior líder, o presidente Jair Bolsonaro. Moisés tem apenas Santa Catarina para administrar. O estado é dividido em regiões  produtoras, que precisam de um maior entrosamento e atenção por parte do governo do estado, muito mais da pessoa do governador, que pouco tem se dedicado a visitar as regiões. Em SC se faz política olhando no olho.

 Maior obra

“A maior obra do governo Moisés e Daniela se deu em novembro e dezembro de 2018. Essa equipe de trabalho talvez seja a maior obra que o governo vai entregar para os catarinenses. É deles e por eles que sou cobrado para das as respostas e as satisfações. É deles que eu cobro resultados”, disse o governador, ao enaltecer a formação da equipe na época.

Consenso no PSDB

Após multa discussão e bicadas internas, o PSDB chegou a um consenso para escolha do novo presidente, que vai suceder o atual, o deputado Marcos Vieira. A definição aconteceu nesta segunda-feira (8), na sede do partido, em Florianópolis, quando lideranças tucanas aprovaram a proposta para que a Convenção Estadual, marcada para o próximo dia 4 de maio, no Plenário da Alesc, tenha uma chapa de consenso à eleição do Diretório Estadual, agregando os principais nomes da sigla no Estado. O nome que agradou a todos é o do ex-deputado federal Marco Tebaldi.

Expectativa no ninho

Já em Xanxerê a expectativa é grande para ver como vai se comportar o ninho tucano que está dividido em duas alas, faz tempo. Tudo indica que o diálogo irá falar mais alto, buscando um consenso também. Caso contrário, haverá uma debandada do ninho por parte de várias lideranças. A responsabilidade está nas mãos do presidente, o vereador Wilson Martins dos Santos, que terá a responsabilidade de preparar o partido para as próximas eleições municipais.

Agradar o DEM ou Onix?

O senador Esperidião Amin (PP) nomeou ex-deputado federal João Paulo Kleinïbing (DEM) para trabalhar em seu gabinete em Brasília. Vale lembrar que Amin e Kleinübing são aliados políticos. Amin foi um dos que lutou para que ele fosse vice-governador de Gelson Merisio (PSD) na última eleição. Kleinübing  é o presidente estadual do Democratas.  Amin faz uma jogada de mestre, ao mesmo tempo agrada o DEM do ministro chefe da Casa Civil, Onix Lorenzoni, e valoriza um companheiro demista em Brasília. Fica bem no estado e no governo federal.

Ganhando espaço

O senador Esperidião Amin (PP) tem um excelente trânsito no governo de Jair Bolsonaro, ambos foram parlamentares juntos e trocaram muitas figurinhas. Amin já foi cogitado várias vezes para compor o governo Bolsonaro, mas isto ainda não se concretizou. Amin vem ganhando espaço e admiração no senado e junto ao governo federal.

Dinheiro na Suíça

A Suíça anunciou nesta terça-feira que devolveu ao Brasil 365 milhões de francos suíços (equivalente a mais de R$ 1,4 bilhão) que haviam sido confiscados pela justiça em relação ao caso de corrupção que envolve as empresas Petrobras e Odebrecht. Desde abril de 2014, o Ministério Público suíço investiga o caso, “em particular as suspeitas de lavagem de dinheiro com agravante e, em muitos casos, as suspeitas de corrupção de agentes públicos estrangeiros”, afirma um comunicado. De acordo com o Ministério Público suíço, a última devolução aconteceu no fim de março. Milhões de francos suíços permanecem bloqueados no país

Companheiros…

A lista de países que mais receberam financiamentos do BNDES nos governos Lula e Dilma mostra onde foi parar o dinheiro que teria feito á diferença em áreas miseráveis do país. Apenas quatro países – Angola, Argentina, Venezuela e República Dominicana levaram do Brasil US$ 8 bilhões em financiamentos sem retorno. Lula mandou o BNDES dar R$12,6 bilhões do Tesouro para financiar obras da Odebrecht em Angola. O prejuízo é o dobro desse valor. Pior: o avalista do empréstimo é o governo brasileiro, ou seja, o contribuinte.

Sabe jogar

Mais que jogar para a plateia, o vice Hamilton Mourão parece determinado a jogar para a mídia, hostil a Jair Bolsonaro. O general tem o talento de falar exatamente o que um e outro desejam ouvir. Um sinal claro que Mourão está pensando lá na frente. Seria a reeleição?

Cartão Sipag

Parceiros

Wilson Martins
Tatu parceiros
Piccoli Parceiros
Tiecher Banner

Publicidade

Inviolavel
Fit Fish
Momento FM