sexta, 27 de novembro de 2020 - 03:50:01 AM
sexta, 27 de novembro de 2020 - 03:50:01 AM
Lucio Jaques
Reana Seguros
PUBLICADA EM 14 de setembro de 2020 - 1:33 PM

Fogo amigo na Campina da Cascavel…

App Sicoob

 

Quem pensou que esta união de partidos em Xanxerê com PSDB, MDB e PSD seria tranquila, não é o que se nota nas conversas de bastidores. Não é só o fogo das queimadas que tem preocupado o grupo dos três partidos. O fogo amigo pode vir de dentro dos partidos. Tem liderança afirmando que só vai trabalhar para a chapa de vereadores e teve até liderança que veio de Brasília para acalmar os ânimos de alguns, mas escutou poucas e boas. Até soco na mesa aconteceu. A conferir.

Eleição disputadíssima

A eleição na Campina da Cascavel promete ser mais uma vez disputadíssima, mesmo tendo de cinco a seis candidaturas a prefeito. Já começaram nas redes sociais as comparações e ataques, isto que nem começou a eleição. Uma das coligações que promete cobrar muito esta união entre PSDB, MDB e PSD é a do candidato a prefeito Wilson Martins (PSL), que sempre se posicionou contra a administração municipal, que agora apoia a chapa adversária. Mas tem outras chapas preparando o seu arsenal para a guerra.

Em boas mãos

Conversei com o prefeito Avelino Menegolla (PSD) sobre o que motivou a sua desistência de ir à reeleição. Menegolla afirmou que já foi por três vezes prefeito de Xanxerê e após uma conversa com o grupo e amigos decidiu dar espaço para os mais novos.  Menegolla afirmou, ainda, que caso Oscar Martarello vença as eleições, o município estará em boas mãos.

Prova de fogo

Mas o que mais se tem comentado nas rodas de conversas políticas é como Menegolla e o PSD abriram mãos de lançar candidato a prefeito tendo o governo nas mãos? Aliás, isto gerou uma divisão interna no partido, que poderá trazer graves consequências durante a eleição, afirma uma liderança pessedista. Inegavelmente tem feridas que ainda não se curaram na divisão entre MDB e PSD, que vem desde as últimas campanhas, para prefeito e governador. Está nas mãos de Martarello buscar está “união”. Esta será a primeira prova de fogo do candidato a prefeito.

Quebra de braço

Nos bastidores é tido como certo que o ex-deputado Gelson Merisio (PSDB) assumiu a defesa do governador Carlos Moisés e da vice Daniela Reinehr,no pedido de impeachment na Alesc. Merisio ainda tem alguns deputados que ajudou a eleger e vai pedir apoio para votar contra o impeachment. Isto gerou uma disputa aberta com o presidente da Alesc, Júlio Garcia, que autorizou o trâmite do pedido de impeachment na casa. Merisio e Garcia não falam a mesma língua há tempos. Na campanha para governador os dois não se falaram, Garcia fez sua campanha independente da de Merisio e vice versa. Garcia ganhou e foi o terceiro deputado mais votado e de tabela forçou  a saída de Merisio do PSD, com ajuda de Raimundo Colombo.

Merisio volta ao cenário político

No comando do governo de Carlos Moisés, que está isolado e perdido, Gelson Merisio volta ao cenário político como protagonista, vai ser uma batalha difícil, para não dizer impossível. Afinal, o governador não tem os votos necessários para impedir o pedido de impeachment, nem Merisio.  Moisés busca desesperadamente apoio e viu em Merisio, que é seu adversário, um aliado de momento. Ganhando ou perdendo Merisio teve seus momentos de fama no cenário político. Já Moisés sonha com o improvável.

João Rodrigues oficializa sua pré-candidato

O ex-deputado federal João Rodrigues lançou oficialmente sua pré-candidatura a prefeito de Chapecó com o tema “Gratidão”. Rodrigues falou sobre sua prisão que qualificou de injustiça. Um dos momentos mais marcantes da conversa foi o relato de quando o sonho de trabalhar pelo povo, iniciado em 1999 como vice-prefeito de Pinhalzinho, se transformou em pesadelo. Uma única assinatura para compra de uma máquina agrícola, destinada à ajuda dos produtores rurais do município, o levou para a cadeia por sete meses. “Vivi um inferno! E o pior, sem ter feito nada de errado.

Mesmo assim, tenho orgulho pelas manifestações que recebi de autoridades políticas de toda Santa Catarina e do Brasil em tom unânime: ‘Isso é uma injustiça!’. A convenção do PSD e partidos coligados acontece nesta quarta-feira (16), às 19h, com transmissão ao vivo pelas redes sociais do pré-candidato e PSD.

 

Parceiros

Publicidade

Inviolavel
Momento FM