terça, 16 de outubro de 2018 - 12:56:44 AM
terça, 16 de outubro de 2018 - 12:56:44 AM
Lucio Jaques
Sessões outubro
Limpeza rio Xxe
PUBLICADA EM 09 de agosto de 2018 - 8:30 AM

Gasto por voto dos eleitos cresceu até 172% desde 2002 em SC

Reana Seguros

Desde a eleição de 2002, o gasto médio por voto conquistado pelos deputados estaduais eleitos aumentou quase três vezes. Para se eleger governador, foram empregados em 2014, proporcionalmente a cada voto conquistado, 150% mais recursos do que havia sido feito 12 anos antes. Os que tiveram de aplicar menos verbas foram os eleitos para o cargo de senador. Ainda assim, de 2002 a 2014, o valor gasto por voto conquistado nas urnas dobrou. No geral, a média de gasto por voto dos eleitos cresceu até 172% em quatro eleições no Estado.

Um levantamento dos resultados das eleições gerais de 2002, 2006, 2010 e 2014, com as prestações de contas de 234 eleitos apresentadas oficialmente ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no término das campanhas. Todos os valores monetários foram atualizados pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), do IBGE, que mede a inflação oficial no país.

Um dos resultados encontrados é o constante encarecimento das campanhas eleitorais para todos os cargos: governador, senador e deputados federal e estadual. Uma prática que será limitada neste ano, por conta da legislação eleitoral. Para se ter ideia, Raimundo Colombo (PSD) se reelegeu em 2014 governador do Estado em turno único declarando custo de R$ 12,6 milhões – que em valores atualizados representam cerca de R$ 15,4 milhões. Se esse montante fosse aplicado no pleito deste ano, a chapa de Colombo ultrapassaria em 70% o limite estipulado pela lei, que será de R$ 9,1 milhões para o primeiro turno neste pleito.

Enquanto em 2002 os 40 deputados estaduais eleitos despenderam em média R$ 6,33 (em valores atualizados) por voto recebido, na última eleição majoritária o custo médio alcançou R$ 17,23 – 64,4% mais caro do que os eleitos deputados federais tiveram de gastar, isso que desde 2002 a disputa pela Câmara dos Deputados teve alta de 110% no custo médio por voto obtido.

Para este pleito, candidatos à Assembleia Legislativa terão teto de gastos de R$ 1 milhão. Já os postulantes à Câmara não poderão gastar mais do que R$ 2,5 milhões até o fim da campanha. Candidatos ao Senado terão limite de R$ 3,5 milhões.

 

Cartão Sipag

Parceiros

Tiecher Banner
Piccoli Parceiros
Tatu parceiros

Publicidade

Fit Fish
Inviolavel
Callfass Transportes
Momento FM