quarta, 23 de outubro de 2019 - 05:46:04 PM
quarta, 23 de outubro de 2019 - 05:46:04 PM
Lucio Jaques
Andrioli Projetos
PUBLICADA EM 18 de setembro de 2019 - 5:41 PM

Miri quer ser candidato à majoritária em Xanxerê

Reana Seguros

O ex-prefeito e secretário de Esporte, Cultura e Lazer, Ademir Gasparini, vem desenvolvendo um bom trabalho frente à secretaria, isto é inegável. Questionado sobre seu projeto político, Miri não esconde o seu desejo de disputar as eleições no ano que vem para prefeito, mas afirma que decidirá o seu futuro político em fevereiro do ano que vem. Miri também deixou escapar que pode trocar de partido, conforme o andamento político. Em síntese, Miri é candidatíssimo a prefeito e tem trabalhado para isto. Caso não tenha espaço no PSD, pode sair e buscar espaço em outra sigla partidária, para disputar o pleito eleitoral. Mas também pode concorrer a vereador, garante.

Merisio no ninho tucano?

Já começou a circular que o ex-deputado estadual Gelson Merisio (sem partido) esteja se aproximando do ninho tucano (PSDB) e quem sabe pode ser a sua nova sigla partidária. Tudo começou em um encontro entre Merisio e o secretário-geral do PSDB de Santa Catarina, o ex-deputado Gilmar Knaesel, em um café, no Centro de Florianópolis, na tarde de segunda (16). A conversa estava animada e o falatório era tão alto, que o espaço físico reduzido que permitiu que os clientes ouvissem quase tudo, no mezanino do estabelecimento. Merisio largou uma frase que chamou a atenção: “O Mauro (Mariani) ‘morreu’, eu estou vivo, sobrevivi”, afirmou.

Empresário do ano

Com todo respeito à classe empresarial xanxerense, mas destaco neste momento a Lorenzon Incorporações, que completa 25 anos de trabalho este mês, em prol do desenvolvimento do município e região. Uma empresa pautada no profissionalismo, reconhecida e premiada nacionalmente pelo trabalho de excelência que desenvolve, integrando inúmeros trabalhadores e ex-detentos ao mercado de trabalho, desenvolvendo um trabalho de proteção e cuidado com o meio ambiente na empresa e nos produtos que desenvolve. Nada mais justo que o seu diretor e proprietário, Alceu Lorenzon, seja reconhecido como um próximo “Empresário do Ano”. Sem dúvidas, a Acix e seus associados estarão fazendo o reconhecimento de um empreendedor que realmente se preocupa com o desenvolvimento do município e região. Não bastasse isto, pratica inúmeras ações sociais, desprovido de quaisquer vaidades, gerando inúmeros empregos e colocando Xanxerê num patamar de qualidade de vida invejável, pelos empreendimentos que constrói, todos de vanguarda. O momento chegou.

Política levada a sério

“Continuar fazendo política com qualidade, seriedade, política levada a sério – esse é o nosso lema. Duplicar nosso número de vereadores, eleger no mínimo 400. Já temos 37 vice-prefeitos, queremos eleger no mínimo 70, e 40 prefeitos. Uma meta arrojada, em cima de muito trabalho, de conversa reta, de posicionamento firme”.

Senador Jorginho Mello, ao falar obre o desafio do PL nas próximas eleições.

Linha dos candidatos

O governador Carlos Moisés da Silva já definiu a linha para os candidatos a prefeito pelo PSL, em 2020. Conforme Moisés, a principal delas será a atuação de austeridade, equipe técnica no primeiro escalão, medidas isentas, enxugamento da máquina, transparência e ter uma vida sem ter lesado a máquina pública, um exemplo que ele traz em 30 anos de atividade no serviço público. “Se for um empresário, deve ser exemplar; se é um sujeito da padaria da esquina, deve ser uma pessoa que ninguém tenha o que falar mal da vida dele. Preferencialmente fora da política”, afirma.  O PSL trabalha com a perspectiva de ter 120 candidatos a prefeito, com prioridade máxima para concorrer nos 30 maiores municípios catarinenses.

Bolsonaro em SC

Conforme o governador Carlos Moisés, o presidente Jair Bolsonaro deve visitar Santa Catarina duas vezes em menos de duas semanas: no próximo dia 28, quando serão inaugurados o novo terminal de passageiros do Aeroporto Internacional Hercílio Luz e as novas instalações do estande de tiro da Academia da Polícia Rodoviária Federal, no Norte da Ilha de Santa Catarina; e, no dia 9 de outubro, durante a Oktoberfest, em Blumenau.

Fim das bebidas em jogos

O Projeto de Lei 4272/19 proíbe o consumo e a venda de bebidas alcoólicas nos campeonatos profissionais de futebol de âmbito nacional. O texto altera o Estatuto de Defesa do Torcedor (Lei 10671/03). Atualmente, o estatuto já proíbe, como condição de acesso e permanência do torcedor no estádio, o porte de bebidas ou substâncias suscetíveis de gerar violência. A proposta, do deputado Severino Pessoa (REPUBLICANOS-AL), tramita na Câmara dos Deputados. Caso a medida seja aprovada e vire lei, seu descumprimento implicará em sanção administrativa e financeira, nos termos da regulamentação.

Reforma Tributária

O senador Roberto Rocha (PSDB-MA) apresentou à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) o relatório sobre a proposta de reforma tributária (Proposta de Emenda à Constituição – PEC 110/2019). Em razão de um pedido de vista, a votação da matéria foi adiada, mas a presidente do colegiado, senadora Simone Tebet (MDB-MS), adiantou que, no dia 2 de outubro, o texto deverá ser discutido e votado pela CCJ, já com sugestões feitas pelo governo. Só vai ser votada mesmo em outubro, até os nobres deputados irem negociar alguma vantagem com o presidente Bolsonaro para sua aprovação. Se repete o velho e conhecido jogo do “toma lá dá cá”.

Choque de empregos

Segundo o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, o governo vai anunciar no próximo mês um pacote de medidas para dinamizar o mercado de trabalho. A iniciativa é do ministro Paulo Guedes, que diz que as medidas vão criar “choque de emprego”. Pontos como qualificação de trabalhadores, acesso à microcrédito e criação de novas vagas serão contemplados pelo “choque”. Marinho, porém, não deu mais detalhes sobre o programa.

Fundão afundou…

Foi graças à pressão e revolta da sociedade nas redes sociais, que o acordo dos líderes no Senado não deu certo para aprovação do famigerado “Fundão eleitoral”. Diante da repulsa geral, os senadores desistiram de comprar briga em defesa do Fundão. O acordo preserva o Fundo Eleitoral de R$1,7 bilhão, mesmo valor da eleição de 2018.  Diante do gritedo, até o presidente da Câmara Federal Rodrigo Maia, que deixou prosperar o Fundão na Câmara, virou um crítico do aumento do valor para R$ 3,7 bilhões.

Uma vergonha

Esta classe política brasileira não tem vergonha na cara mesmo, o país em uma crise, com o brasileiro penando para sobreviver e pagar as suas contas, os nossos senadores querendo que suas campanhas políticas sejam financiadas com fortunas, através do fundo eleitoral, pago pelo contribuinte. Uma vergonha.

Fake até em CPI

Podem ser ”fake” (ou falsas) três das 48 assinaturas de senadores e cinco das 274 assinaturas de deputados em apoio à CPMI das Fake News. É que a Secretaria Legislativa do Congresso, que verificou a autenticidade das assinaturas no dia 5 de junho, não reconheceu oito de senadores e deputados. Há dez assinaturas repetidas de senadores e 32 de deputados. No Congresso, ninguém explica o que houve. A pergunta que não quer calar: só nessas CPI descobriram assinaturas Fake? E as outras CPIs?

Cartão Sipag

Parceiros

Wilson Martins
Tatu parceiros
Tiecher Banner
Piccoli Parceiros

Publicidade

Inviolavel
Momento FM