segunda, 21 de setembro de 2020 - 12:50:15 AM
segunda, 21 de setembro de 2020 - 12:50:15 AM
Lucio Jaques
Reana Seguros
PUBLICADA EM 14 de setembro de 2020 - 8:47 PM

MPF denuncia presidente da Alesc, Julio Garcia, e mais cinco pessoas na operação Alcatraz

App Sicoob

 

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou nesta segunda-feira mais seis pessoas dentro da operação Alcatraz. O presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), Julio Garcia (PSD), seria um dos nomes, segundo fonte ouvida pela coluna. O processo tramita em segredo de Justiça. O parlamentar havia sido indiciado em outubro de 2019 pela Polícia Federal (PF) na investigação sobre supostas irregularidades dentro da secretaria de Administração do Estado.

Na informação divulgada pelo MPF, Garcia foi citado como ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE-SC), condição que ocupava na época da investigação. De acordo com o órgão, as seis pessoas denunciadas nesta segunda são acusadas “de lavagem de dinheiro, por ocultarem a origem, disposição, movimentação e propriedade de recursos oriundos de propinas recebidas em licitações e contratações fraudadas e de bens adquiridos com esses valores”.

A força-tarefa da operação Alcatraz também quer a reparação de, no mínimo, R$ 2.337.691,31 (em valores da época). O valor foi apurado durante a investigação. O MPF diz que os “fatos objeto da denúncia envolvem vultosos pagamentos realizados pelo operador financeiro para a aquisição de bens – apartamentos, terreno e 103 vagas de garagem em prédio comercial – e outras despesas pessoais do ex-conselheiro e de seus familiares, com recursos oriundos de contratações e licitações fraudadas pela organização criminosa”.

O órgão ainda aponta a ligação do presidente da Alesc com Nelson Castello Branco Nappi Junior, ex-secretário adjunto de Administração. Nappi seria o operador financeiro e teria uma “conta corrente” com o agora presidente da Assembleia, conforme aponta a investigação da PF. Os repasses do operador para Garcia, de acordo com o MPF, teriam sido de R$ 2,7 milhões.

Os valores de propina, de acordo com a denúncia, são oriundos de licitações e contratações fraudadas realizadas até 2018. A nova denúncia apresentada na Justiça Federal de Florianópolis é assinada pela subprocuradora-geral da República Samantha Chantal Dobrowolski e pelos procuradores da República Alisson Campos, Carlos Humberto Prola Junior, Douglas Guilherme Fernandes, Lucas Aguilar Sette e Mário Sérgio Ghannagé Barbosa.

Contraponto

Assessoria do deputado Julio Garcia disse ele não tem nenhuma informação sobre a denúncia. Antes de ter acesso ao material, o parlamentar não vai se manifestar.

A defesa de Nelson Nappi Junior disse que ainda não teve acesso à denúncia. Segundo o advogado Leonardo Pereima, o ex-secretário nega envolvimento “em qualquer irregularidade”.

NSC,

Parceiros

Fit Fish

Publicidade

Inviolavel
Momento FM