quarta, 26 de junho de 2019 - 12:51:30 PM
quarta, 26 de junho de 2019 - 12:51:30 PM
Lucio Jaques
Andrioli Projetos
PUBLICADA EM 23 de fevereiro de 2019 - 10:11 AM

Piccoli é candidato a prefeito de Xanxerê?

Reana Seguros

O empresário e vereador Vilson Piccoli (MDB) foi taxativo em afirmar “que pode ser candidato a prefeito nas próximas eleições, desde que um grupo de pessoas entenda que a política tem que ser diferente”. Mas admite que no MDB existem outros nomes, a exemplo do ex-vereador e advogado Adenilso Biasus. “Estou na política dando o melhor que eu posso como vereador, procuro fazer as coisas certas e informar o meu eleitor, que confiou em mim, do que eu estou fazendo na Câmara. Levo muito a sério o que estou fazendo e tenho um plano, projetos para isso, mas não adianta ter projetos individuais se a população e um grupo de pessoas não estiverem juntos. Eu jamais serei candidato a alguma coisa, simplesmente pensando que os meus projetos sejam melhores do que os outros”, afirmou.

Bauer diz que não tem crise no PSDB

O ex-senador tucano e secretário Especial para o Senado da Casa Civil, Paulo Bauer, afirmou que “não considera uma crise” a situação do PSDB em Santa Catarina, onde lideranças tucanas estão saindo do partido, a exemplo do ex-prefeito de Blumenau, Napoleão Bernardes, mas a fila é grande. Para Bauer, não dá para chamar de crise o fato de uma liderança ter deixado o partido. “Não considero isso uma crise, absolutamente. Crise é quando temos uma sucessão de fatos e como temos uma situação pontual, eu não chamaria de crise”, afirmou.

Mudanças no PSDB

Os tucanos já vêm com problemas internos, antes mesmo da eleição, mas por um momento foram sanados. A derrota nas eleições estaduais, quando tiveram o candidato a vice-governador, Napoleão Bernardes, e até mesmo nacionalmente com o candidato à presidência Geraldo Alckmin, reacendeu no PSDB a necessidade de abrir espaço para novas lideranças assumirem os rumos e mudanças necessárias para o partido se oxigenar. O PSDB, assim como suas lideranças está ficando velho, é preciso sangue novo, uma mudança de verdade se quiser continuar a crescer no estado e no Brasil.

Explicações do governador

Depois de viralizar nas redes sociais suposto nepotismo com nomeações de parentes de oficiais em órgãos do governo, o governador Carlos Moisés largou uma nota através da Casa Militar tentando justificar as nomeações, afirmando que todas foram analisadas previamente e que não foram constatadas quaisquer ilegalidades, já que são profissionais técnicos, com experiência comprovada.

Mourão dá opinião

O general Hamilton Mourão faz balanço positivo de sua atuação como vice-presidente da República, sem se importar com as críticas a sua atitude de até fazer declarações discordantes do governo. “Enquanto não houver uma posição oficial, eu emito opinião. Mas a partir do momento em que o presidente tome decisão sobre determinado tema, a posição passará a ser minha e vou defendê-la com unhas e dentes”, disse. Mourão não é bobo, enquanto o MITO se esconde da imprensa, Mourão usa com primazia o espaço, já pensando nas próximas eleições.

Recado ao presidente

O presidente da Câmara federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ) admitiu que a reforma da Previdência proposta por Michel Temer em 2017 fracassou, na verdade, por má-fé. Ao receber a nova proposta do presidente Jair Bolsonaro, Maia disse que viu a tentativa anterior “ser desconstruída com falsas informações”. Maia fez o alerta para que a reforma de Bolsonaro não tenha o mesmo destino que a de Temer.

Áudios

Os áudios vazados na imprensa confirmam o que o presidente Jair Bolsonaro e o filho Carlos afirmaram. O ex-ministro Gustavo Bebianno deu a entender que havia conversado três vezes com o presidente sobre “laranjas do PSL”, mas os áudios revelam que não foi nada disso. Mostram que o presidente só tratou do caso PSL uma vez. Em todos, ele se mostra irritado com Bebianno sobre vários assuntos. Certamente por isso, Carlos, que viu tudo, chamou-o de “mentiroso”.

Manias do Dória

Mas era só o que faltava. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), obriga os secretários a vestir ternos azuis e gravatas também azuis. Todas as demais cores são vetadas, principalmente a vermelha. Uma espécie de uniforme. Ninguém está contente com esta frescura, daqui a pouco vão entrar com uma ação contra Dória no Ministério Público. Convenhamos, o Dória sempre foi uma pomba do PSDB.

Cartão Sipag

Parceiros

Tiecher Banner
Tatu parceiros
Wilson Martins
Piccoli Parceiros

Publicidade

Inviolavel
Fit Fish
Momento FM