sábado, 22 de fevereiro de 2020 - 10:11:22 PM
sábado, 22 de fevereiro de 2020 - 10:11:22 PM
Lucio Jaques
66 anos
66 anos II
PUBLICADA EM 18 de dezembro de 2019 - 7:45 PM

Resposta do governador Carlos Moisés aos dissidentes do PSL

Reana Seguros

Pois é, os dissidentes que saíram do PSL terão pela frente que contar com a sorte e a confirmação do registro do partido do presidente Bolsonaro, o Aliança pelo Brasil, junto ao TSE, a tempo de lançar candidatos a prefeito e a vereador. Em nome do governador, o secretário-geral do PSL, Douglas Borba (secretário da Casa Civil), afirmou que a sigla não estará à disposição dos que foram eleitos por ela, no caso deputados federais e estaduais, além dos sem mandato, que se rebelaram contra o governador Moisés, o que inclui a vice-governadora Daniela Reinehr, se tentarem concorrer no ano que vem.

Novo perfil do PSDB

A presidente do PSDB, deputada federal Geovânia de Sá, vem filiando inúmeras lideranças, visando o projeto eleitoral do ano que vem. A presidente mostrou a sua força na última reunião da executiva, quando marcaram presença caciques tucanos, como o ex-senador Dalírio Beber, o deputado estadual Vicente Caropreso, a ex-prefeita Luzia Coppi (Camboriú), a ex-vereadora Anna Carolina (Itajaí), o empresário e ex-vereador Lio Tironi (por duas vezes presidente da Câmara de Jaraguá do Sul, em 1998 e 2001), o vice-prefeito João Batista Nunes (Florianópolis) e o estreante Gelson Merisio, ex-deputado e presidente da Assembleia por três vezes, que participou da primeira reunião, já como filiado. Tudo indica que este será o novo perfil do ninho tucano sob o comando de uma mulher.

O desafio do PSDB

Geovania de Sá está a todo vapor, colocando o seu perfil de fazer partido. A deputada tem realizado inúmeras reuniões e mexendo com as estruturas do partido dando uma nova cara ao ninho tucano. A presidente visitou este ano 158 municípios, em 388 viagens aos municípios. Geovânia está pronta para o maior desafio: fazer, se necessário, “cirurgias”, como ela diz, para adaptar tradicionais caciques, “os donos do partido nos municípios”, com a necessária renovação de jovens e mulheres. Sem dúvidas, o PSDB começa a mostrar um novo perfil.

Contra a maré

O MDB estadual está à deriva em alto mar, indo contra a maré, podendo enfrentar fortes turbulências no ano que vem. Tudo vai depender dos desdobramentos eleitorais. Com lideranças emedebistas com sérios problemas na justiça, estas podem naufragar os projetos do partido que finaliza o ano sem ter um nome forte para lançar como candidato para disputar a eleição estadual, em 2022. O MDB precisa urgente se reinventar ou vai ter que optar em ser vice de Carlos Moisés que vai buscar a reeleição pelo PSL. Aliás, próximos MDB e PSL já estão faz tempo.

 PT terá candidato

O Partido dos Trabalhadores busca ocupar o seu espaço nas próximas eleições e vai começar lançando candidato a prefeito na maior cidade do estado, Joinville. Depois de 24 anos fora da disputa, o PT terá novo nome para a disputa da Prefeitura, o ex-deputado e ex-prefeito Carlito Merss, que já colocou o seu nome à disposição como pré-candidato. Com certeza, isto deve motivar petistas a disputarme a eleição em outros municípios do estado, a exemplo de Xanxerê, com Adriano De Martini.

Administração mostra trabalho

A administração municipal corre contra o tempo para entregar inúmeras obras, mais do que isto, quer cair na graça do xanxerense, como uma gestão que fez, no governo do prefeito Avelino Menegolla. O ano que vem promete ser ainda melhor, garantem amigos mais próximos do prefeito. Já Menegolla com tranquilidade começa a pavimentar a sua reeleição. Resta saber: quem será o vice-prefeito?

Greve fracassou

O governo ganhou a queda de braço com os caminhoneiros. A paralisação prevista para esta segunda-feira (16), que, segundo Marconi França, um dos representantes da categoria, contaria com adesão de pelo menos 70% dos 4,5 milhões de profissionais, foi fraca e não atraiu a classe. “A greve está acontecendo, sim, em Recife, Rio Grande do Sul, Itajaí e Fortaleza. Há 12 pontos de bloqueio pelo país”, afirmou Marconi.

Greve política

O governo federal atuou com força na justiça que classificou como greve política. Desde a semana passada, o governo também recebeu uma força do Judiciário. A greve foi proibida em alguns pontos, e as multas a serem aplicadas em caso de descumprimento vão de R$ 100 mil a R$ 300 mil por dia para Marconi França e para a Central Única dos Trabalhadores (CUT/RJ) que apoiou o movimento. Na realidade, ficou claro que a CUT não tem mais a força de mobilização que tinha junto à categoria. Convenhamos, é Natal, até os caminhoneiros querem ficar com suas famílias.

Pedala, Guedes

Ao defender, mais uma vez, a quebra do monopólio dos distribuidores de combustíveis para reduzir o preço final para o consumidor, o presidente Jair Bolsonaro voltou a aplicar um “pedala” no ministro da economia Paulo Guedes, O czar da economia tem feito ouvidos moucos às declarações de Bolsonaro sobre o tema, revelando-se mais sensível aos argumentos do poderoso lobby dos distribuidores.

Só lucram

Os empresários da distribuição de combustíveis adquiriram na “agência reguladora de petróleo” (ANP) o cartório que os converteu em magnatas. Já os distribuidores atuam como atravessadores e não agregam qualquer valor ao combustível. Agregam custos (seus lucros), elevando preços. “Lá na refinaria o preço está lá embaixo”, afirmou Bolsonaro, atribuindo o preço elevado inclusive aos distribuidores/atravessadores. Enquanto isto, empresários e atravessadores só lucram, e o povo paga a conta. Nova política?

Cartão Sipag

Parceiros

Tiecher Banner
Piccoli Parceiros
Tatu parceiros

Publicidade

Vicini Pneus
Inviolavel
Momento FM